MVNOs: Novas empresas de telefonia no mercado brasileiro

A Anatel aprovou no último dia 18/11, as regras para que novas empresas se tornem operadoras de telefonia celular, ainda que não possuam redes nem radiofrequências.Há duas modalidades para a atuação:

 1. Operadora virtual -  Numa delas, de autorizada virtual, uma empresa faz um contrato para utilizar parte da rede de uma das atuais prestadoras e com esse “aluguel” de infraestrutura passa a oferecer o serviço. Dessa forma, as autorizadas virtuais funcionam de forma praticamente idêntica às atuais operadoras – tendo como única diferença o fato de que usam redes e espectro alugados. 
       Requisito: Elas precisam de licença da Anatel para funcionar e, para efeito prático aos consumidores, é como se uma nova operadora celular passasse a atuar no mercado, uma vez que a autorizada carrega as mesmas obrigações das atuais.

 2. Prestação do serviço móvel é através de credenciadas. “É uma espécie de representante comercial da operadora”, diz o conselheiro João Rezende. O vínculo das credenciadas se dá somente com a prestadora de origem – as atuais empresas que dispõe de rede e espectro – cabendo a essa última a responsabilidade sobre as obrigações relativas aos clientes. 
       Requisito: No caso das credenciadas, a agência apenas homologará contratos firmados entre elas e as operadoras de origem. Ou seja, toda a negociação será eminentemente privada. A Anatel permitirá que as atuais operadoras sejam controladoras, controladas ou coligadas das credenciadas.
     Importante: Por outro lado, caso uma credenciada queira mudar de operadora de origem, poderá levar com ela os clientes conquistados. 

A ideia de ampliar o mercado móvel com as operadoras virtuais é viabilizar operações de nicho. “O objetivo é ampliar a oferta de serviços no SMP, aumentar a competição e a diversidade de serviços”, resume o presidente da Anatel, Ronaldo Sardenberg. Assim, é possível imaginar clubes de futebol, bancos e redes de varejo oferecendo o serviço com pacotes especiais para determinados grupos de consumidores.
Com o regulamento em vigor, a agência acredita que as primeiras operações virtuais já estarão funcionando a tempo de aproveitar a melhor data do ano para o setor, o Natal. O que ninguém parece lembrar é que o maior mercado do país, São Paulo, enfrenta justamente nesse mesmo período uma escassez de números disponíveis – motivo, inclusive, da proposta de criação de um novo DDD para a região do código 11.

Acer: Novo Smartphone ainda sem nome comercial

O Novo metal-clad smartphone Acer é alimentado por um processador Snapdragon de 1 GHz e pode capturar fotos de 8 megapixels e vídeo de 720p. Os destaque continuam com Bluetooth 3.0, Wi-Fi 802.11g, 14,4Mbps HSPDA e porta HDMI. O Preço ainda está para ser revelado, mas seu lançamento ofcial está previsto para Abril de 2011, com sua tela de 4,8 polegadas e sistema operacional Android torna-se bem atrativo aos amantes de tecnologia.

4G: Operadora da Dinamarca prestes a fazer a transição

A TDC, operadora líder na Dinamarca, está prestes a fazer a transição para o 4G. Para isso fechou uma parceria com a Ericson para fornecer e gerenciar a rede em nível nacional. A Ericson oferecerá uma rede 4G completa, incluindo estações rádio base da família 6000, solução Evolved Packet Core (EPC), além da oferta completa de serviços gerenciados. Este é o primeiro contrato de amplo escopo para serviços gerenciados firmado pela Ericsson para uma rede LTE.

Na China, a parceria entre a China Unicom e a Ericsson foi ampliada após a assinatura de um contrato de três anos para serviços de manutenção em campo. A Ericsson cuidará da manutenção dos sites das estações rádio-base, bem como pela rede fixa e transmissão. Este é o maior contrato de serviços gerenciados firmado entre as duas empresas até hoje.

4G: Uma realidade ou sonho para o Brasil?

Segundo a Qualcomm ainda é cedo para se falar em 4G no Brasil, que uma possível realidade seria para 2013. Nesse momento entende-se não ser necessário se começar com essa tecnologia. Os executivos da empresa americana defendem a decisão da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) que prevê a destinação da faixa de 2,5 Gigahertz (GHz) para viabilizar a entrada da 4G da telefonia móvel em 2013. Segundo o diretor de relações governamentais da Qualcomm do Brasil , Francisco Soares, a tecnologia 4G no Pais será usada por nichos onde a demanda é maior.

TV Digital:Na África, Padrão SBTVD x DVB europeu?

Em decisão anunciada dia 23/11, após reuniões entre técnicos e ministros, a Comunidade para o desenvolvimento para a África Austral bateu o martelo e endossou a primeira opção já feita pelo padrão europeu de TV digital (DVB 2), em 2006, porém deixou a decisão final para cada país individualmente.

O DVB, da Europa, levou vantagem sobre o SBTVD (Sistema Brasileiro de TV Digital), padrão nipo-brasileiro,na África, mas a batalha não foi perdida. O ISDB-T (Serviço Integrado de Transmissão Digital Terrestre) fincou os pés naquele continente ao obter o endosso de três países - Moçambique, Angola e Botsuana.

.A decisão contraria os planos do governo do Brasil e do Japão, que apostavam numa reversão de tendência em função dos bons resultados técnicos do padrão nipo-brasileiro - não foi encarada como uma derrota pela delegação brasileira que acompanhou as discussões, em Lusaka, na Zâmbia. O Brasil possui alguns apoiadores Moçambique, Angola e Botsuana que conseguiram manter a porta aberta para o padrão nipo-brasileiro, o SBTVD, ISDB-T”, acrescentou em entrevista à Agência Brasil.

A maioria dos integrantes da comunidade: África do Sul, Angola, Botsuana, Congo, Lesoto, Madagascar, Malaui, Ilhas Maurício, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue sinalizou que devem seguir a recomendação.

Brasil e Japão já começaram a discutir com seus apoiadores a realização de mais testes de campo. “O uso da tecnologia, na prática, pela população, será decisiva”, afirma Barbosa. “Vamos fazer testes em Maputo (Moçambique), Luanda (Angola) e Gaborone (Botsuana), com set-up boxes  (conversores) e celulares”. Japoneses e brasileiros reúnem-se na semana que vem, em Tóquio, para tratar dos próximos passos a serem adotados.

Growing Up Digital, mas com muita distração

Os estudantes de uma maneira geral sempre enfrentaram distrações e desperdiçadores de tempo. Mas os computadores e celulares, e de constante fluxo de estímulos que eles oferecem, são um desafio novo
e profundo para a concetração e a aprendizagem. Os especialistas dizem que a atração dessas tecnologias é particularmente poderosa entre os jovens. O risco, dizem, é que o cérebro em desenvolvimento pode mais facilmente alternar constantemente tarefas do que o cérebro adulto e menos capazes de sustentar a atenção. Michael Rich, um professor associado da Harvard School e diretor executivo do Centro de Mídia e Saúde da Criança, em Boston disse:" Seus cérebros são recompensados não para permanecer na tarefa, mas para pular para a próxima coisa". E os efeitos podem demorar: " A preocupação é que estamos levantando uma
geração de crianças na frente das telas, cujos cérebros estão sendo moldados de forma diferente".