Telecom Itália não tem interesse em fusão de TIM e Oi, diz presidente



Flavio Cattaneo disse que TIM procura parceiro na área de conteúdo. Telecom Itália é controladora da operadora brasileira. O presidente da Telecom Italia, Flavio Cattaneo, reiterou que a companhia não está interessada em uma fusão da TIM com a rival Oi. "Eu amo o Brasil, mas eu não sei se nós vamos aumentar nossa exposição lá", disse Cattaneo na conferência anual de Telecomunicações, Mídia e Tecnologia do Morgan Stanley em Barcelona.                      +Leia Mais

Dez motivos do porque não consegue arrumar um emprego


“Por que não consigo arrumar emprego?”. Os profissionais que estão em busca de uma recolocação no mercado de trabalho, costumam repetir essa pergunta quase como um mantra.

Entretanto, em meio ao desespero, é importante observar alguns sinais que podem indicar o porquê ainda não conseguiu êxito, principalmente depois de um longo período de procura. + Ler Mais

Quatro lições do Pokémon Go para os empreendedores


O jogo oferece uam série de ensinamentos práticos para empresas que buscam inovar constantemente

De acordo com o relatório divulgado pela Sensor Tower, Pokémon GO alcançou em torno de US$ 200 milhões apenas no primeiro mês, tonando-se o novo fenômeno cultural e muito mais lucrativo que os conhecidos Clash Royale e Candy Crush Soda. Mas, o que podemos aprender com este novo jogo?

- Faça de um jeito simples. Inovação não tem que significar complexidade ou dificuldade. As empresas que procuram desenvolver um produto interativo devem manter a importância da simplicidade em mente, pois o que é mais fácil de aprender pode gerar maior taxa de conversão e retenção. O Pokémon GO, por exemplo, não possui tutorial, manual ou instruções, é um jogo intuitivo e extremamente fácil de jogar, trazendo um crescimento espontâneo de usuários diariamente.

- Do online para o off-line. Muitos comércios têm se aproveitado do crescente número de usuários do jogo para atrair clientes para os seus negócios por serem locais próximos de PokéStops ou ginásios Pokémon. Essa forma de conversão pode ser bastante positiva, capturando, assim, todo o tráfego online de jogadores e os trazendo para o off-line.

- Encontre maneiras criativas para alcançar novas metas. As empresas estão sempre procurando a próxima grande ideia como uma maneira de ficar à frente da concorrência. Tanto a Niantic quanto a Nintendo criaram uma mina de ouro com Pokémon GO e, certamente, tinham objetivos claros na criação do game. Reserve um momento para pensar em novas metas e em maneiras criativas de alcançá-las. Pense em como você pode posicionar o seu produto para atingir o target desejado.

- Segurança como prioridade. Milhões de jogadores em todo o mundo estão tentando capturar os pokémons. Contudo, enquanto estão jogando pouco prestam atenção em sua própria segurança, já ouvi relatos de pessoas sendo assaltadas e atropeladas. Além desta preocupação, as empresas devem constantemente procurar maneiras de melhorar a segurança de seus usuários em relação à violação de dados. É importante que as empresas sempre estejam conscientes dos riscos e possíveis falhas inerentes dos negócios digitais. Governança corporativa é tão importante quanto olhar para os dois lados antes de atravessar a rua para pegar um Pokémon raro.

fonte: CIO

Rivalidade entre TI e Negócios, será?



A visão de tendências de TI dos decisores de negócio e da área de tecnologia evoluíram e estão mais alinhadas do que eles imaginam. O que tende a contribuir para um melhor uso da TI como um fator essencial para o sucesso das organizações. Essa é a constação do estudo global Dell State of IT Trends 2016, qu ouviu estudo global Dell State of IT Trends 2016.

“Existe uma percepção equivocada de que os líderes empresariais estão desconectados das discussões estratégicas de TI, mas os tempos mudaram”, afirma João Bortone, Diretor de Produtos e Soluções Empresariais da Dell para América Latina. “Esse estudo revela que existe um crescente entendimento entre os decisores de TI e de negócio sobre as principais tendências de TI e as oportunidades crescentes que a TI pode endereçar”, conclui.

O estudo identificou que na atual economia, orientada por dados, as empresas buscam agilidade, eficiência, escalabilidade e capacidade para responder às aplicações de negócios em tempo real. De acordo com o estudo Dell State of IT Trends 2016, o aumento da produtividade do negócio é a principal demanda para 81% dos decisores de TI e para 77% dos decisores de negócios, seguida pela necessidade de impactar o crescimento dos negócios, com 71% e 69% das respostas, respectivamente.

No geral, empresas de todos os tamanhos e em mercados desenvolvidos e em desenvolvimento seguem alinhadas de acordo com as seguintes tendências:

·62% dos decisores de TI e 51% dos decisores de negócios concordam que cloud computing é a tendência de tecnologia mais importante para suas empresas.

.A capacidade de expansão na utilização da núvem publica, de acordo com a necessidade é avaliada como importante para 83% dos decisores de TI e 74% dos de negócios

· Segundo 88% dos decisores de TI e 80% dos de negócios, suas organizações consideram adotar, estão em processo de adoção ou já concluíram a migração para data center definidos por software.

.Ambos os grupos concordam que os benefícios desse modelo estão na flexibilidade, simplicidade, eficiência e redução de custos. Os decisores de TI indicam com maior frequência que essa migração já está em andamento e indicam a escalabilidade como principal benefício (57% diante de 40% dos decisores de negócios)

·Dois em cada um entrevistado concordou que devem usar tecnologias abertas de data center no futuro e 86% dos decisores de TI e 85% dos de negócios concordam que a estratégia centrada em computação é a melhor abordagem para ganhar flexibilidade, escalabilidade e para data centers abertos.

Em termos de despesas com tecnologia em 2016, a nuvem é a principal prioridade, 67% para os líderes de TI e 59% na visão de negócios. Na sequência de importância aparece atualização das tecnologias de armazenamento de dados e da área de compras (54% e 48%, respectivamente).

Os resultados do estudo confirmam que as estratégias centradas no cliente, data center definidos por software e computação centrada estão entre as prioridades que os líderes de negócios e de TI buscam para atender seus objetivos de negócios:

.Oito em cada 10 entrevistados concordam que uma abordagem centrada em computação para desenvolvimento de soluções de data center é a chave para promover inovação.

·Acima de oito em cada 10 entrevistados concordam que integrar soluções hiperconvergentes é o primeiro passo para adoção de um data center definido por software.

·Os decisores também afirmaram que a adoção de um data center definido por software é o viabilizador mais importante para a transformação digital e que uma estratégia de cloud hibrida é vista como o melhor lugar para o datacenter definido por software no futuro.

·Quase a totalidade dos tomadores de decisão concordam que tecnologias abertas suportam melhor as tendências de data center voltado a aplicações, portabilidade e gestão de dados se comparado com soluções de hardware proprietárias.

·A capacidade de resolver problemas rapidamente é a principal preocupação global para todos os entrevistados quando se trata de gestão do data center.

Fonte:Convergência Digital

Após muita apreensão pela demora, 'Pokémon GO' chega ao Brasil



Já é possível baixar o aplicativo na Apple e na Google Store

Aguardado pelos fãs brasileiros, o jogo "Pokémon GO" ja chegou ao Brasil. Na tade desta quarta-feira, os mapas começaram a ser povoados com ginásios, pokéstops (pontos onde itens úteis ao jogo podem ser coletados) e as famosas criaturinhas. No início da noite, o jogo chegou às lojas oficiais da Apple e Google.

Mulher busca pokémons em parque próximo à Casa Branca, em Washington ‘Pokémon Go’ altera rotina de cidades e preocupa autoridades.

O casal Brianna e Brent Daley foi preso sob acusação de negligência e exposição de criança ao risco
Casal é preso por abandonar filho de 2 anos para jogar ‘Pokémon Go’

Jogadores de ‘Pokémon Go’ capturam monstrinhos de bolso virtuais espalhados pelo mundo real
Produtores de ‘Pokémon Go’ são processados por invasão de propriedade
Entre os ginásios, estão o Estádio Olímpico, no Engenho de Dentro, a Praça da Apoteose e o Theatro Municipal, no Centro, a Casa de Rui Barbosa, em Botafogo, a Praça Santos Dumont, a PUC e o Jockey Club, na Gávea, além do Píer Dona Augusta e do Monumento dos Recicladores, na Barra, também são ginásios. No jogo, a redação do GLOBO é uma das Pokéstops espalhadas pela cidade. Há relatos de exemplares de "Pikachu" e "Metapod" no Jardim Botânico.

O jogo usa a tecnologia da realidade aumentada para levar para as telas dos smarphones personagens virtuais, que se misturam com o ambiente real captado pelas câmeras. Os monstrinhos ficam espalhados pelas cidades, e os jogadores são convidados a circular pelas ruas atrás deles.

Fã da franquia japonesa, a publicitária Jessica Marins teve uma grata surpresa na saída do trabalho. Passando de ônibus pela rua São Clemente em Botafogo já conseguiu capturar um "Zubat" e o "Magikarp".

- É incrível, me sinto uma mestre pokémon. Tem um menino que já está no nível 21 e está dominando os ginásios aqui em Botafogo. Vou ter que treinar muito para recuperar o tempo perdido - brincou, contando ainda que está sendo ignorada por seu namorado desde quando foi noticiado o lançamento no Brasil:

- Ele me disse 'tô indo caçar na rua com meu irmão' e nunca mais me respondeu no WhatsApp.

O ambiente de trabalho da editora Paula Drummond não foi mais o mesmo após o lançamento do jogo. Ela conta que, após dias de espera, quando o game foi disponibilizado, a mobilização foi geral.

- Estávamos a semana inteira esperando sair. Dois departamentos estavam atualizando toda hora (o aplicativo). Quando saiu, todos correram pelas baias e gritaram. Aí ficamos andando pela editora para ver o que tinha por aqui- conta ela.

O jogo também já chegou ao interior de Minas Gerais, na cidade de Itajubá, onde o universitário Lellis Barboza já capturou um "Bulbasaur", um "Zubat", um "Pidgey" e um "Paras".

- Uma abelha acabou de picar minha cara e eu não vi, mas nem ligo, quero jogar- contou rindo, antes de dar uma bronca na reportagem: - Você quer que eu fique respondendo as coisas no meio da minha caçada.

A notícia se espalhou rapidamente pelas redes sociais. Pelo Twitter, muitos jogadores já compartilham a alegria de capturar um Pokémon:

“Realizando um sonho de me tornar um mestre Pokémon!”, escreveu Melody Bruni.


fonte: O Globo

Nas disputas entre o gestor da infraestrutura e o gestor de TI todos perdem



Ambos precisam estar próximos ao negócio e entender o comportamento do consumidor para seus respectivos planejamentos

Muito se ouve e discute sobre a batalha entre duas áreas dentro das empresas: os gestores de facilities ou manutenção (responsáveis pela infraestrutura elétrica e mecânica dos centros de dados) e os gestores de TI (responsáveis pelos servidores, softwares e rede). Porém, entre essas duas áreas, e guiando a empresa como um todo, está uma figura: o consumidor.

O fato é que o consumidor e sua necessidade de estar o tempo todo conectado, vem mudando a forma como as empresas se relacionam com ele. Um exemplo é no mercado financeiro: os bancos que antes atendiam seus clientes através das agências bancárias, horas na fila e muito aborrecimento, com a chegada da internet hoje disponibilizam website 24 horas e diversos aplicativos.

Com isso há menos pessoas e menos custo de agência, mas em contrapartida deve-se prover total disponibilidade de acesso a aplicativos, dados e centrais de relacionamento. E tudo isso é provido pelas áreas de facilities e TI juntas.

Pensando nesse ser exigente - “O Consumidor” - passa a ser mais fácil para a área de facilities entender quando a área de TI “decide” instalar mais um servidor. Tal demanda foi iniciada para atender o consumidor (que pode sim não ter sido planejada mas que é necessária  para que a empresa mantenha sua competitividade). Como passa a ser fácil, para a área de TI, entender quando a área de facilities opta por uma determinada tecnologia com flexibilidade e modularidade, que às vezes pode ser mais cara, mas irá atender a flexibilidade demandada pelo negócio e pelo consumidor.

Sendo assim, a briga entre facilities e TI passa a não fazer mais sentido pois o negócio é dinâmico e demandado pelos consumidores, os verdadeiros “culpados”. Ambos precisam estar próximos ao negócio e no entendimento do comportamento do consumidor para seus respectivos planejamentos. E neste cenário, iniciativas como DCIM, Modularidade e Sustentabilidade começam a fazer sentido. Pois se o crescimento não for sustentável, ele não sobrevive. Não adianta somente falarmos em aumento de custo, precisamos gerenciar este custo de forma inteligente (com o PUE – Power Usage Effectiveness, por exemplo) e assim evitar desperdícios para a empresa e para o globo. Isso tudo sem é claro abrir mão da disponibilidade.

Recentemente em um grupo de discussão com gestores de TI e Facilities promovido pela Schneider Electric em seu Centro Tecnológico em St. Louis, foram relacionadas as prioridades para os gestores de Data Center em geral: 1- Disponibilidade, 2- Flexibilidade, 3- Sustentabilidade.

Ou seja, sustentabilidade já é uma realidade e uma questão de sobrevivência do negócio como um todo.

Modularidade também passa a ser uma iniciativa importante para garantir a flexibilidade, pois é preciso crescer ou diminuir de acordo com a demanda do negócio, onde quem manda são os consumidores. Isso claro sem nunca prejudicar a disponibilidade.

“Não faz mais sentido ter um Data Center projetado para 15 anos. É preciso planejar um passo de cada vez pois se você planeja três passos por exemplo, o terceiro pode já não ser realidade e precisar ser alterado” – diz um gestor de Data Center.

Novas iniciativas
Para acompanhar as mudanças frequentes e necessárias, evitando qualquer tipo de risco, uma iniciativa parece ser fundamental: DCIM – Data Center Infrastructure Management. Essa sopa de letrinhas tão discutida recentemente e que pode ser tanta coisa, promete ser o facilitador da necessária conversa entre as áreas de TI e Facilities.

Segundo o IDC, DCIM é um software que deve incluir planejamento, gerenciamento e otimização de espaço, energia e climatização dentro do data center. Este software foca na intersecção de sistemas de TI e Facilities para criar uma visão ampla do data center.

Para um produto ser considerado DCIM, ele deve visualizar pelo menos um ou mais componentes do lado de TI (máquina virtual, servidores, storage, equipamentos de rede) e um ou mais componentes do lado de facilities (climatização, unidade de distribuição de energia (PDU), No-Break ou UPS, sensores, geradores).

O DCIM é tanto para facilities quanto para TI uma boa forma de trabalho em conjunto bem como um acesso ao negócio como um todo, pois ambos estão (ou devem estar) inseridos na operação e saber da criticidade de um sistema de climatização que suporta um servidor onde “roda” uma determinada aplicação. Assim a discussão sai do âmbito “servidor” ou “ar condicionado” e passa para a aplicação que atende determinado nicho de consumidores. Assim a discussão não é mais de hardware e sim de software e de consumidores afetados.

Concluindo, a instalação de um DCIM envolve o trabalho em conjunto e rompe as barreiras entre TI e Facilities e passa a ser importante para o negócio.

E o custo?
Como então o DCIM e tantos outros ativos de TI podem deixar de ser um custo para ser imprescindível nas instalações? A resposta está em calcular o risco de um determinado aplicativo ou software parado ou mesmo colocar em risco a interface via internet com o usuário (vamos lembrar o que falamos no início, da importância do acesso à distância por parte dos consumidores). Isso pode colocar em risco a sobrevivência ou a marca do negócio como um todo.

E ai está o segredo e o benefício de uma instalação de DCIM: dar ao gestor geral do Data Center uma visão realista da disponibilidade da infraestrutura existente, dos riscos da operação, do planejamento necessário para o crescimento, tudo isso sob a ótica da aplicação que atende o consumidor.

Assim, saímos da discussão da instalação de um novo servidor ou novo ar condicionado para a discussão de custo do data center para o processamento de uma determinada aplicação de TI.

Fonte: CIO

Hackers invadem Telegram e comprometem mais de 15 milhões de usuários



Mais de 15 milhões de usuários do aplicativo de mensagens Telegram tiveram seus dados expostos por um grupo hacker chamado Rocket Kitten no Irã. Segundo pesquisadores ouvidos pela agência de notícias Reuters, os criminosos se aproveitaram de uma falha de autenticação do app.

Toda vez que um novo usuário cria seu cadastro no Telegram, o aplicativo envia um código por mensagem SMS para confirmar seu número de telefone. Embora todo o conteúdo das mensagens trocadas pelo app seja criptografado, esse SMS de segurança não é, tornando-o vulnerável a hackers.

O que os criminosos fizeram foi interceptar o SMS enviado pelo Telegram a novos usuários e, assim, puderam fazer login em suas contas em qualquer dispositivo. A partir daí, os hackers expandiram seu alcance até atingir mais de 15 milhões de vítimas - somente no Irã, até onde se sabe.

Atualmente, o Telegram tem mais de 100 milhões de usuários ativos mensalmente no mundo todo. Existe a possibilidade de o app ter sido atacado por hackers a mando do governo iraniano, que recentemente exigiu a entrega de dados sigilosos de comunicação entre usuários.

fonte: Olhar Digital

Vendedor de 'Bosta em Lata' é eleito o melhor do Brasil pelo Mercado Livre



Recentemente, o Mercado Livre entregou hoje o prêmio de “Melhor Vendedor do Brasil” a Leonardo Matos, que usou uma boa dose de criatividade - e coragem - para dar o nome de ‘Bosta em Lata’ à loja e o produto que criou. Leonardo comercializa adubo orgânico feito a partir de esterco bovino e, com a ajuda de especialistas da Embrapa, UNESP e outros profissionais, desenvolveu uma embalagem que estampa esse nome usual.

De acordo com o empreendedor, os compradores do produto apreciam plantas e moram em lugares pequenos que precisam de adubo para as atividades. Matos vende a Bosta em Lata através de uma loja virtual e explica que o nome do produto surgiu após a bricadeira de amigos que diziam “ah, Léo, se deixar você vende até bosta em lata, hein”.

A premiação percorreu o Brasil desde maio deste ano, contabilizando mais de 11 mil quilômetros rodados. O projeto foi realizado pelo Mercado livre em parceria com o E-commerce Brasil e liderado pelos especialistas da área do varejo Fred Rocha e Mauro Rocha, e Leandro Branquinho, especialista em vendas.

O vencedor do projeto mora em São José do Rio Preto, interior de São Paulo, cidade que não estava na rota do projeto, mas chamou a atenção dos organizadores do prêmio justamente por causa do burburinho causado pelo trabalho desenvolvido por Matos.

fonte: Olhar Digital

LG Prime II com TV: conheça o preço e ficha técnica do celular




O LG Prime II chegou ao Brasil com preço baixo de R$ 799 e duas características interessantes: TV digital e entrada para dois chips. O celular conta ainda com o Android 5.0 Lollipop, tela de 5 polegadas de baixa resolução (854 x 480 pixels, menos que HD), câmeras de 8 MP e 5 megapixels, além de um processador quad-core de 1,3 GHz. A memória RAM é de 1 GB, e o armazenamento interno tem 8 GB.
LG L Prime, Prime Plus e Prime II: as diferenças entre eles
Com base nas especificações e no preço, o TechTudo listou os pontos positivos e negativos do smartphone para ajudar na sua decisão de comprar ou não o LG Prime II. Veja, abaixo, se o “baratinho” da LG é uma boa opção para você.

Pontos positivos
- Entrada para dois chips
Um dos bons recursos do LG Prime II é a função dual chip. Dessa forma, o usuário pode utilizar dois cartões SIM no mesmo celular. A opção é bastante útil, principalmente, para as pessoas que já têm duas linhas telefônicas e não pretendem se desfazer de nenhum delas.
- TV integrada
Se você gosta bastante de acompanhar o que está rolando na televisão, mas passa muito tempo fora de casa, comprar um celular com TV pode ser uma opção. O LG Prime II conta com esse recurso. Entre os pontos fortes do aparelho, está a opção de assistir aos canais gratuitos da televisão sem precisa baixar outros apps.

Como o Prime também tem uma tela de 5'', os usuários poderão aproveitar os recursos da TV integrada em um bom tamanho. Entre as alternativas, estão disponíveis gratuitamente as principais emissoras de televisão, como a Rede Globo.

 Gravação de vídeos em Full HD e boa câmera frontal
A câmera é um ponto interessante do celular. A traseira tem apenas 8 MP de resolução, mas a frontal conta com sensor de 5 megapixels, para selfies. Para o padrão da concorrência, essa qualidade é bastante significativa.
Além disso, caso o usuário goste de fazer vídeos, será possível aproveitar a resolução Full HD que o aparelho oferece. Tendo em vista que apenas os smartphones top de linha do mercado são capazes de fazer gravações melhores, essa resolução é uma boa pedida para as pessoas que gostam de fazer suas próprias gravações.

Telecom Itália descarta venda da TIM Brasil

MILÃO (Reuters) - O presidente-executivo da Telecom Italia, Flavio Cattaneo, afirmou ao jornal italiano Il Sole 24 Ore que a venda da subsidiária brasileira TIM não está sendo mais discutida pela companhia.

O comentário foi publicado dois dias depois que o presidente-executivo da Vivendi, grupo de mídia francês que controla a Telecom Italia, ter dito que não tem planos para vender a TIM por enquanto, apesar de ter emendado a declaração afirmando "nunca diga nunca".

Questionado pelo jornal italiano, em edição publicada nesta quinta-feira, Cattaneo afirmou que a TIM é estratégica para a Telecom Italia e que a venda da operadora brasileira não está mais sendo debatida pela companhia.

(fonte:UOL)