Proteste entrou na justiça contra as operadoras de telefonia móvel

Associação recebeu reclamações sobre má qualidade do 3G de mais de 43 mil consumidores
  
A Proteste anunciou que entrou na justiça de Brasília nesta quarta-feira contra as quatro principais operadores de telefonia móvel do País: Claro, Oi, TIM e Vivo. Segundo a associação de defesa do consumidor, as ações são em resposta aos problemas com a conexão 3G, motivo de reclamação de mais de 43 mil pessoas.

Com a iniciativa, a Proteste pede que as operadoras ofereçam a conexão contratada com qualidade, sob pena de pagamentos de multas por descumprimento. Ela solicitou indenização por danos morais coletivos aos consumidores lesados, por meio de descontos nas contas de celular pelo período de um ano. A associação também pede que as teles sejam proibidas de vender novos planos de telefonia móvel com conexão 3G até que o sistema seja regularizado, obedecendo os parâmetros da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

A agência reguladora faz medições mensais da banda larga móvel em 16 estados do País, avaliando a velocidade instantânea e a velocidade média. As empresas precisam oferecer velocidade instantânea em pelo menos 95% das medições, e 70% de velocidade média.

Nos últimos resultados divulgados, referentes a dezembro do ano passado, as operadoras ficaram abaixo das metas em diversos estados analisados. Do total de indicadores, a TIM teve 16 ocorrências abaixo do esperado, o maior número entre as quatro teles. A Oi teve 12 indicadores inferiores ao estipulado, a Vivo teve dez, e a Claro, seis. “Além da má cobertura, as operadoras também não entregam a velocidade prometida com os planos 3G”, disse em comunicado .
12 de março de 2014