TIM cai mais de 7% com temor de possível sanção do governo

(G1) Ação da TIM cai mais de 7% com temor de possível sanção do governo
Papéis da empresa lideraram as perdas na Bovespa nesta quinta-feira
Segundo ministro, empresa precisa melhorar a qualidade do serviço.

As ações da TIM fecharam a quinta-feira (12) com queda de mais de 7%, com investidores mostrando receio de que a operadora de telefonia possa sofrer sanções do governo devido a reclamações sobre a qualidade de seu serviço.

Segundo dados preliminares, os papéis da TIM lideraram as perdas do dia na Bovespa, com reuco de 7,45%, fechando a R$ 9,80. O Ibovespa fechou o dia em queda de 0,28%.

Em entrevista nesta quinta-feira, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo disse que a eventual suspensão de novas vendas é uma possibilidade, mas "seria o último recurso". O ministro, entretanto, afirmou que algo precisa ser feito para melhorar a qualidade do serviço da operadora, ressaltando que o governo tem recebido muitas reclamações, "mas não no Brasil todo, em cinco ou seis estados".

"Podemos (suspender as vendas), por que não? Faremos isso se ela não resolver o problema", disse o ministro. "Não somos radicais e não queremos tomar uma medida duríssima. Mas se tiver que fazer, vai ser feito. Não posso simplesmente fechar os olhos", acrescentou.

Antes de medidas mais duras, Bernardo disse que o governo dará um prazo para a TIM resolver os problemas e diminuir as reclamações, afirmando que a intenção não é prejudicar nenhuma empresa.

Em nota, a TIM afirmou que "desconhece a existência de medida tão extrema, bem como os fundamentos dela".

"A Companhia afirma também que vem cumprindo e segue rigorosamente as orientações da Anatel em matéria de qualidade, que é assunto de análise contínua da Agencia com as operadoras. Não obstante, a TIM está desenvolvendo um conjunto de projetos de infraestrutura para seguir suportando o seu crescimento e capturando as oportunidades que o mercado brasileiro oferece", diz a empresa em nota.