Operadoras devem retomar venda de chips em 15 dias

Em 25/07 - A suspensão da comercialização de linhas telefônicas e modems da Claro (proibida em São Paulo e mais dois Estados), Oi (em cinco) e TIM (em 18 mais o Distrito Federal), iniciada segunda-feira, está longe de ser revertida. De acordo com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a punição deve se estender por pelo menos mais duas semanas.

"Não vamos resolver isso em 15 dias, mas achamos que neste prazo é possível ter um plano (de investimento) e compromissos públicos que sinalizem para a solução do problema. Aí autorizaremos a venda de novas linhas condicionada ao cumprimento desse compromisso", disse Bernardo.

Na avaliação do consultor de telecomunicações Artur Borioli, sócio-diretor da L&A Consultoria Móvel, o imbróglio dificilmente será solucionado em 15 dias ou em um mês. "A Anatel demorou muito para tomar essa decisão e, com isso, os problemas foram crescendo cada vez mais. Os call centers precisam estar muito bem preparados para que as reclamações diminuam consideravelmente."

Quanto aos planos de investimento, que visam melhorar a qualidade dos serviços de telefonia e têm de ser entregues até o dia 21 de agosto, o ministro informou que eles serão divulgados na internet para que os consumidores acompanhem se as medidas estão sendo cumpridas.

Para Borioli, é importante que os aportes sejam muito bem justificados. "A gente olha aquele monte de números e não sabe como mensurar esses investimentos. Tem que ficar bem claro."

O conselheiro da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) Marcelo Bechara estima que as medidas de suspensão da venda dos chips não se repitam daqui para frente. "Esperamos que essa seja a última vez e que esse movimento seja um divisor de águas. As medidas são importantes para uma arrumação do setor, que é estratégico e queremos ver fortalecido", ressaltou. "A decisão foi dura e drástica. Não nos interessa inviabilizar as empresas, mas precisam entregar o que prometem, serem tão competentes quanto o marketing. As operadoras têm capacidade, no curto prazo, de realizarem mudanças perceptíveis."

A TIM, proibida de vender em 18 Estados e Distrito Federal, se reuniu ontem com a Anatel para apresentar seu plano de investimentos. A agência pediu mais detalhes das propostas no atendimento aos clientes nos call centers.

A proposta tem mais de 800 páginas e concentra 80% das informações em investimentos na rede. "Queremos que o plano contemple a criação de centros e postos de atendimento e aquisição de novos equipamentos", afirmou o superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos.

A Claro já entregou a primeira versão de seu projeto. A Oi ainda não tem data para se reunir novamente com a Anatel.

fonte: Diário do Grande ABC