PNBL (Plano Nacional de Banda Larga) - 100 cidades-alvo a R$35,00




A Meta do Governo em conexões de banda larga já foi definida em 2010. No Fórum Brasil Conectado, desse mês de agosto a lista das primeiras 100 cidades do país - além de 15 capitais e o Distrito Federal - que contarão com oferta de backhaul da Telebrás.
O acesso à internet deve ficar dentro do teto de preço de R$ 35 como definido pelo Plano Nacional de Banda Larga.A divulgação da lista das 100 cidades tem como objetivo, além de nortear a Telebrás, visa atrair provedores de acesso interessados em utilizar a capacidade no atacado a ser vendida pela estatal.


      "Vamos precisar de parceiros entre os pequenos provedores e esperamos que, com o anúncio, esses parceiros apareçam", diz o presidente da Telebrás, Rogério Santanna.
      A seleção das primeiras cidades obedeceu alguns critérios, especialmente de estarem situados a até 50 km da linha principal de fibras óticas do setor elétrico que será gerenciada pela Telebrás. Além disso, representam principalmente municípios com baixo IDH (indice de desenvolvimento humano), reduzida proporção de acessos - alguns casos nenhuma - e a existência de programas como UCA, Cidade Digital, Telecentro, etc.
      Caso o governo não consiga os parceiros em todas as cidades, há duas opções como contingência preparadas. A primeira, a troca de algumas cidades por outras - e já existe uma lista com outras que obedecem os mesmos critérios de seleção. 
      A outra alternativa será, naturalmente, a prestação direta de acesso pela Telebrás, mas o objetivo é que isso só aconteça depois do Comitê Gestor dos Programas de Inclusão Digital (CGPID) definir os critérios do que é a ausência de "oferta adequada" onde haverá competência da estatal atuar.
Além de possibilitar a venda de capacidade no atacado e, assim, induzir ofertas mais baratas de acesso à internet, a lista das 100 primeiras cidades inclui as capitais e, com isso, especialmente ao ligar Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, permitir que o governo tenha condições de, gradativamente, substituir os contratos de comunicação de dados em vigor com as operadoras privadas.


Prováveis 100 cidades beneficiadas serão: 


Angra dos Reis (RJ), Nova Iguaçú (RJ), São Gonçalo (RJ),  Piraí (RJ), Mesquita (RJ), Rio das Flores (RJ), Duque de Caxias (RJ), Casemiro de Abreu (RJ), Arapiraca (AL), Messias (AL), Palmeiras dos Índios (AL), Joaquim Gomes (AL), Pilar (AL), Rio Largo (AL), Feira de Santana (BA), Itabuna (BA), Camaçari (BA), Governador Mangabeira (BA), Eunápolis (BA), Governador Lomanto (BA), Muritiba (BA), Presidente Tancredo Neves (BA), Sobral (CE), São Gonçalo do Amarante (CE), Quixadá (CE), Barreira (CE), Maramguape (CE), Russas (CE), Cariacica (ES), Domingos Martins (ES), Conceição da Barra (ES), Piúma (ES), São Mateus (ES), Vila Velha (ES), Itapemirim (ES), Anápolis (GO), Aparecida de Goiânia (GO), Trindade (GO) , Águas Lindas de Goiás (GO), Alexânia (GO), Itubiara (GO), Imperatriz (MA), Paço de Lumiar (MA),  Presidente Dutra (MA), Porto Franco (MA), Grajaú (MA), Barra da Corda (MA), Barbacena (MG), Juiz de Fora (MG), Conselheiro Lafaiete (MG), Ibirité (MG), Sabará (MG), Uberaba (MG), Riberão das Neves (MG), Santa Luzia (MG), Campina Grande (PB), Campo de Santana (PB), Araruna (PB), Riachão (PB), Dona Inês (PB), Bananeiras (PB), Duas Estradas (PB) Carpina (PE), Tracunhaém (PE), Nazaré da Mata (PE),  Paudalho (PE), Limoeiro (PE), Aliança (PE), Piripiri (PI), Campo Maior (PI), José de Freitas (PI), Piracuruca (PI), Batalha (PI), São João da Fronteira (PI), Santa Cruz (RN), Nova Cruz (RN), Passa e Fica (RN), Parnamirim (RN), Lagoa d'Anta (RN), Extremoz (RN), Açú (RN), Nossa Senhora da Glória (SE), Barra dos Coqueiros (SE), Laranjeiras (SE), Japaratuba (SE), São Cristóvão (SE), Carira (SE), Campinas (SP), Guarulhos (SP), Pedreira (SP), Serrana (SP), Conchal (SP), Embu (SP), São Carlos (SP), Gurupi (TO), Araguaína (TO), Guaraí (TO), Paraíso do Tocantins (TO), Wanderlândia (TO), Porto Nacional (TO). 





IPEA (Instituto de Política Econômica Aplicada) gerenciará projeto para diagnosticar a situação das telecomunicações brasileiras



No segundo encontro do Fórum Brasil Conectado que acontece esta semana em Brasília, o governo aproveitou para anunciar o lançamento de um projeto amplo para diagnosticar a situação das telecomunicações brasileiras, pontos estratégicos de avanço na inclusão e, especialmente, os resultados do Plano Nacional de Banda Larga. O projeto será gerenciado pelo Instituto de Política Econômica Aplicada (Ipea) e se constituirá em uma grande rede virtual de dados sobre o setor de telecomunicações, compilando levantamentos hoje dispersos em vários órgãos públicos e civis. Segundo Cosette Castro, membro do Comitê Gestor das Políticas de Inclusão Digital (CGPID), que coordenou a plenária em que o anúncio foi feito, o governo pretende monitorar quantitativamente e qualitativamente o cumprimento das metas fixadas no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

A rede virtual irá absorver dados sobre o setor gerados pelo IBGE, pelo Comitê Gestor de Internet (CGI) e pela Anatel, para citar alguns exemplos. Mas a rede estará aberta a outras informações de outras instituições que ajudem a mapear especialmente a qualidade da oferta de banda larga que vem sendo prestada no país.

"Nessa primeira etapa de construção, o Ipea avaliará primeiro quais parcerias já estão firmadas com órgãos que possuem esses dados, em segundo lugar quais números já estão disponíveis e, por fim, quais os dados que são necessários além destes para a análise", explicou Cosette. Para prospectar essas futuras parcerias, o Ipea abriu um fórum específico onde as entidades poderão se cadastrar para acompanhar e colaborar com o projeto. O site é o forum.ipea.gov.br .

A proposta também tem um viés de dar publicidade a dados que, muitas vezes, não são de acesso pleno da sociedade em seus órgãos de origem. A ideia é produzir relatórios periódicos sobre esse acompanhamento, divulgando os cenários da inclusão digital brasileira. O governo ainda não sabe quando a rede estará plenamente organizada, mas o trabalho já está em curso e o próximo Fórum Brasil Conectado já deve contar com uma compilação prévia do Ipea para os debates sobre as metas mais ambiciosas do PNBL, que envolvem incentivos à cadeia produtiva de softwares e conteúdos voltados, especialmente, para aplicativos de governo eletrônico. O próximo encontro do Fórum está previsto para ocorrer em outubro deste ano.






Esta mensagem, incluindo seus anexos, pode conter informacoes privilegiadas e/ou de carater confidencial, nao podendo ser retransmitida sem autorizacao do remetente. Se voce nao e o destinatario ou pessoa autorizada a recebe-la, informamos que o seu uso, divulgacao, copia ou arquivamento sao proibidos. Portanto, se você recebeu esta mensagem por engano, por favor, nos informe respondendo imediatamente a este e-mail e em seguida apague-a. 

Será que o Milestone da Motorola não receberá atualização do Android versão 2.2 ?

Nesta semana, a divisão brasileira da Motorola confirmou que o Milestone não receberia atualização do android para a versão 2.2 (Froyo) na América Latina. A decisão afeta diretamente os brasileiros, que não poderão tirar vantagem das melhorias da atualização da nova versão do sistema.

Usuários do Milestone no Brasil estão muito irritados com essa situação. A repercussão chegou ao Tweeter através do perfil @motofail_br e hashtags #motorolafail ou #motofail, promovendo um protesto como um pedido de revisão dessa decisão.

 

ACEL possi novo presidente é Luiz Eduardo Falco atual presidente da Oi


A Acel (Associação das Operadoras de Telefonia Celular) elegeu nesta quinta, 19, o presidente do conselho da entidade. Ficará a cargo de Luiz Eduardo Falco, presidente da Oi, decisão obedeceu o critério de rodízio entre as operadoras. A decisão não foi tranquila. O nome do presidente da Vivo, Roberto lIma, foi colocado como alternativa, dado o fato de que a Oi é a principal concessionária fixa. Mas com as mudanças societárias na Vivo e em nome de uma pacificação da convivência entre as empresas, o nome de Falco prevaleceu. Segundo Mário Girassole, diretor de regulamentação da TIM, a operadora (que hoje é a única a não estar ligada a nenhuma concessionária fixa) deu um voto de confiança no nome eleito. A diretoria executiva continua sendo ocupada interinamente por Luiz Mello.