Apple produzindo carros? Isso pode estar se tornando uma realidade



A Apple, que vem trabalhando secretamente em um carro, está incentivando a equipe a começar a produção do veículo elétrico já em 2020, disseram pessoas com conhecimento do assunto.

Considerando que as fabricantes de automóveis costumam dedicar entre cinco e sete anos ao desenvolvimento de um carro, o cronograma destaca a ousadia dos objetivos do projeto e poderia compor o cenário para uma batalha por consumidores contra a Tesla Motors e a General Motors. Essas duas empresas buscam lançar em 2017 um veículo elétrico que pode fazer mais de 320 quilômetros com uma única carga e custar menos de US$ 40 mil (cerca de R$ 115 mil).

“Esse é o ponto de inflexão –o campo de testes– imposto pela era elétrica”, disse Steve LeVine, autor de The Powerhouse, um livro sobre a indústria das baterias automotivas. “Agora, a Apple está chegando e isso é uma massa crítica. A GM de fato poderia se equiparar à Tesla? A Apple pode”.

A Apple, que registrou o recorde de US$ 18 bilhões em lucros no trimestre passado, possui US$ 178 bilhões em dinheiro e poucas vias para gastá-lo. Os custos de pesquisa e desenvolvimento da empresa com sede em Califórnia totalizaram US$ 6,04 bilhões nos últimos 12 meses, e o diretor-executivo Tim Cook está enfrentando uma pressão cada vez maior para retornar dinheiro aos investidores.

Ele vem incentivando a fabricante do iPhone a entrar em novas categorias para envolver ainda mais a vida digital dos usuários com produtos e serviços da Apple.

A possível incursão da Apple pelo terreno dos carros segue um caminho semelhante ao que foi adotado pela empresa para entrar em outros setores. Ela não foi a primeira a fabricar um reprodutor de música digital ou um smartphone e só entrou nesses mercados quando obteve um produto que revolucionaria essas categorias. Representantes da Apple se recusaram a fazer comentários para a matéria.

 Equipeautomobilística

O sucesso obtido pela Tesla ao criar uma start-up de carros demonstrou que os obstáculos tradicionais para entrar no setor automobilístico não são tão difíceis de superar como se pensava, disse uma pessoa que solicitou anonimato por tratar-se de uma questão privada.

Além disso, as fabricantes de automóveis têm tido dificuldade para promover grandes saltos técnicos no desenvolvimento de carros, um objetivo que o Vale do Silício também está tentando alcançar. Por exemplo, o Google vem investindo no desenvolvimento de um veículo autônomo desde 2010.

A Apple poderia desistir da iniciativa automobilística ou adiá-la caso os executivos não fiquem satisfeitos com os resultados, como já aconteceu antes com outros projetos secretos, disseram as fontes.

A equipe automobilística, que já conta com cerca de 200 pessoas, passou a contratar mais gente nos últimos meses e a empresa buscou especialistas em tecnologias de baterias e robótica, disse uma das fontes.



Ação judicial

Uma ação judicial iniciada neste mês revela parte dos esforços da Apple para criar uma equipe automotiva para o projeto. Por volta de junho, a empresa começou uma “campanha agressiva para caçar” funcionários da A123 Systems, disse essa fabricante de baterias com sede em Waltham, Massachusetts, na ação movida contra a Apple.

A Apple contratou cinco pessoas da A123 e tentou contratar especialistas em baterias da LG Chem, da Samsung Electronics, da Panasonic, da Toshiba e da Johnson Controls, de acordo com a ação judicial.


Bônus

“A Apple está desenvolvendo agora uma divisão de grande escala de baterias a fim de concorrer no mesmo campo que a A123”, disse a fabricante de baterias em outra ação estadual.

Elon Musk, diretor-executivo da Tesla, disse neste mês que a Apple estava tentando atrair funcionários de sua empresa e tinha oferecido bônus contratuais de US$ 250 mil e aumentos salariais de 60%.